FECOMERCIÁRIOS CNTC União Geral dos Trabalhadores
Central de Atendimento: 15. 3212-7110
17-Jul-2013 00:00 - Atualizado em 15/02/2017 11:54

Governos falham contra desemprego, diz pesquisa. Brasil tem a melhor satisfação

Uma pesquisa que a Confederação Sindical Internacional (CSI) apresentará a ministros do Trabalho amanhã, em Moscou, mostra que 80% dos entrevistados acham que os governos fracassaram no combate ao desemprego. O Brasil, porém, tem menos descontentes entre os 13 países consultados, com 47% considerando que o governo tem criado empregos.

Também na contramão, 55% dos trabalhadores, profissionais liberais e estudantes ouvidos no Brasil apoiam a redução de impostos para grandes empresas se isso ajudar a criar empregos, mais do dobro dos 24% da média internacional.

Enquanto só 13% acreditam que seus governos estão focados no interesse dos trabalhadores, no Brasil o percentual é de 18%, o maior entre os consultados. Ao mesmo tempo, 92% dos brasileiros estão entre os mais favoráveis à melhor renda de aposentadoria e acesso à saúde e à educação mais amplos.

Pela primeira vez, ministros das Finanças e do Trabalho vão estar juntos no G-20. Na falta de decisões, querem mostrar que questões de demanda e do emprego estão no centro das discussões.

Brasil, China, Austrália e Coreia do Sul chegam em posição confortável se comparados à maioria dos países industrializados, que têm níveis recordes de desemprego.

Globalmente, o número de desempregados se aproxima dos 200 milhões, sendo 75 milhões de jovens abaixo dos 25 anos. Centrais sindicais pedem um novo Plano Marshall para a Europa em crise.

"O desemprego está envenenando nossas economia e sociedade. Centrar no emprego e promover a demanda é a única solução", disse Sharan Burrow, secretária-geral da CSI. Para Ángel Gurría, secretário-geral da OCDE, "as cicatrizes sociais da crise estão longe de serem apagadas".

Segundo relatório que a OCDE divulgou ontem, o desemprego nos países ricos deve continuar alto em 2014, sobretudo entre jovens e trabalhadores pouco qualificados. A taxa de desemprego deve recuar muito pouco nos próximos 18 meses, de 8% para 7,8% no fim de 2014, o que representa 48 milhões de pessoas sem trabalho.

O desemprego deve cair nos EUA de 7,6% neste ano para menos de 7% no fim de 2014. Na Alemanha, deve cair de 5,3% para menos de 5%. Mas, no resto da Europa, pode subir e superar 11% na França, ficar em 12,5% na Itália, se aproximar de 28% na Espanha e Grécia.

Para a OCDE, isso eleva os riscos sociais. E mesmo a taxa de fertilidade na Europa está sendo afetada. com a crise levando famílias a cortar planos de ter filhos. Mesmo pequenas variações na taxa de fertilidade têm impacto de longo prazo na sustentabilidade das despesas sociais e de saúde

Valor