FECOMERCIÁRIOS CNTC União Geral dos Trabalhadores
Central de Atendimento: 15. 3212-7110
18-Ago-2019 21:49
Comércio

Inadimplência recua no comércio de Sorocaba

O consumidor sorocabano está mais atento em evitar o atraso no pagamento de parcelas em compras no comércio. O nível de inadimplência caiu em julho ante junho, segundo o banco de dados da Associação Comercial de Sorocaba (Acso), administrado pela Boa Vista SCPC. Houve redução na quantidade de registros, no número de CPFs negativados e no valor total da dívida.

A economista Carla Giuliani, da Associação Comercial/Esamc Jr., avalia que os números são animadores. “Pois estão confirmando a vontade das pessoas em honrar os compromissos financeiros assumidos”. Ela ressalta que o bom resultado da inadimplência ainda é tímido em relação ao que a população espera que ocorra. Todos esperam redução do desemprego, maior consumo e aumento na atividade econômica.

De acordo com os dados da Acso/Boa Vista SCPC, relativo a Sorocaba, o número de pessoas com o CPF negativado caiu 2,55% em julho. Passou de 71.719 em junho, para 69.888. A quantidade de registros passou de 124.893 em junho para 121.544 em julho, variação de 2,68%.

Na comparação anual, o resultado é ainda mais expressivo, de 20,92%. Em relação ao valor total das dívidas de pessoas físicas, a baixa foi de 3,22%, fechando julho em R$ 71,3 milhões.

A Acso oferece gratuitamente consultas de CPF. Caso a pessoa tenha algum débito, pode renegociá-lo por meio do Serviço de Recuperação de Crédito (SRC). Isso pode ser feito na rua da Penha, 535, Centro. Outro ponto fica na avenida Itavuvu, 3.373, Jardim Santa Cecília, piso L2.

No País
No Brasil, a inadimplência do consumidor avançou 1,7% em julho na comparação ao mês anterior, informa a Boa Vista. Em relação a julho de 2018, o indicador teve recuo de 0,6%. A queda acumulada no ano é 4,6% e em 12 meses, de 3%.

Desde o final de 2016, a inadimplência vem em uma trajetória de queda no País. Conforme economistas da Boa Vista, o recuo se explica em parte pela maior cautela das famílias e pela baixa capacidade de endividamento, por causa do fraco crescimento da renda.

Jornal Cruzeiro do Sul