FECOMERCIÁRIOS CNTC União Geral dos Trabalhadores
Central de Atendimento: 15. 3212-7110
17-Ago-2011 00:00 - Atualizado em 15/02/2017 11:52

Presidente do Magazine Luiza é convidada para o governo

A criação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, com status de ministério, é uma promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff. O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Alessandro Teixeira, está responsável pela modelagem da nova pasta e chegou a ser cotado para o cargo. Mas o convite foi feito à presidente do Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, que, segundo fonte do governo, aceitou o desafio.

O projeto de lei (PL 865) criando a nova secretaria foi encaminhado ao Congresso Nacional no dia 31 de março deste ano, mas a presidente Dilma solicitou a tramitação em regime de urgência somente na semana passada. Isso significa que o projeto terá que ser aprovado em até 45 dias na Câmara, caso contrário, passa a trancar a pauta de votação. Depois disso, precisa passar pelo mesmo rito no Senado.

A secretaria ficará subordinada à Presidência da República. A nova pasta será responsável pela formulação de políticas e diretrizes de apoio à micro e pequena empresa e ao segmento do artesanato. Tratará também de temas como cooperativismo e associativismo urbanos, e iniciativas para o aumento da participação das micro empresas nas exportações brasileiras e sua internacionalização.

O governo decidiu criar a nova secretaria, com estrutura enxuta, para coordenar as ações para o setor que estão espalhadas pelos ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, da Fazenda, da Ciência e Tecnologia e do Trabalho e Emprego. O impacto orçamentário, segundo a exposição de motivo encaminhada ao Congresso junto com o projeto de lei, seria de R$ 6,5 milhões com a criação da secretaria a partir de abril deste ano. O valor sobe para R$ 7,9 milhões por ano, a partir de 2012.

Luiza Trajano ganhou trânsito no governo durante o auge da crise financeira internacional. Como presidente do Instituto do Desenvolvimento do Varejo (IDV), negociou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os produtos da linha branca (máquinas, fogões, geladeiras etc). A redução do tributo para alguns setores foi uma estratégia do governo para aumentar o consumo e minimizar o impacto da crise na economia brasileira .

Jornal Cruzeiro do Sul